quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

A responsabilidade de quem ficou 8 anos

Já sabemos que muitos têm cobrado do Meridional a “coerência” de seu discurso. O porquê de antes cobrar as ações do governo com veemência e  não tecer críticas ao governo atual.
Sem sentirmos a necessidade de nos explicarmos emitimos, no entanto, a nossa opinião. Cobramos sim, e muito, e às vezes até em excesso de um governo que muito se vangloriou de seus feitos perfeitos. De sua grande capacidade de planejamento, de suas obras irretocáveis, e de uma administração que, segundo seus próprios políticos omildes, era a melhor.
Cobramos as bravatas, as atitudes ditatoriais, cobramos a perimetral que depois de anunciada com pompa e circunstância levou DOIS ANOS para ser concluída, cobramos os gastos absurdos com a empresa de Santa Maria que recolhia o lixo, cobramos a verba da construção (mal feita) da creche Leonel Brisola (que está em julgamento pois teve dinheiro que sumiu), cobramos muitíssimo a situação da ponte Carlos Barbosa que, em princípio recebeu uma reforma  que custou 97 mil  e, que segundo explicações foram usadas as madeiras do horto municipal, depois disso, apenas remendos; cobramos a reforma do prédio do CAPS que custou 100mil reais; cobramos o pórtico de entrada da cidade que apareceu muito bonito no panfleto de campanha eleitoral mas que nunca foi concluído, embora tenha sido pago por ele R$161 mil reais?????? (em 14 de  junho de 2012); cobramos a fábrica da Votorantin ( que não veio); cobramos de um prefeito que expulsou trabalhadores do Daer que pernoitavam no Gita porque ele brigou com a chefia; cobramos de um prefeito que pagou por um troféu (um que se saiba ); cobramos pela casa onde funcionou a primeira câmara de vereadores e que estava desabando (Meridional, 8 de agosto de 2008); e cobramos sim pelos alagamentos pelos estragos das ruas e estradas afinal, OITO anos sendo o melhor, o mais competente, o empreendedor, deveria no mínimo ter deixado a cidade impecável, livre de desastres ambientais, fora das manchetes dos jornais (negativas, como a que aparceu no programa Jornal do Almoço referindo-se ao ex-prefeito apontado pelo TCE a devolver dinheiro gasto indevidamente).
É bom lembrar que nós muitas vezes também publicamos as boas coisas do governo anterior: a conclusão do prédio da Secretaria da Saúde, o esplêndido Acampamento Farroupilha (pão e circo???), o carnaval, todas as festividades promovidas pelo poder público, o apoio a Expofeira; as melhorias no Pontal; a boa relação com o funcionalismo. Isso também esteve nas páginas do Meridional, muitos esquecem. Mas o que não pode ser esquecido é que o fato de não ser mais o prefeito da cidade não isenta o cidadão de continuar tendo a responsabilidade pelos atos que fez ou deixou de fazer, pelas obras que realizou e pelas que não realizou, pelas prioridades que escolheu, pela lisura, pela transparência (ou não) com que administrou. Com o passar do tempo - e parece que não vamos esperar muito - o que publicamos aqui está se confirmando: o mau uso da máquina pública revela-se no momento em que a Justiça condena.
  Somos coerentes sim pois, após constatar que em OITO ANOS o governo do PDT gastou cerca de R$297 mil (em média R$37 mil por ano= R$1,94 por morador ) em esgotos, continuamos achando que a culpa das enchentes em Arroio Grande É DO JORGINHO!